domingo, 16 de outubro de 2011

Impactos Ambientais dos Combustíveis Fósseis

Poluição, segundo a lei nº 6.938/81, é a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente:
>   Prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população.
>   Criem condições adversas às atividades sociais e econômicas.
>   Afetem desfavoravelmente a biota (o conjunto de seres vivos de um ecossistema, o que inclui a flora, a fauna, os fungos e outros grupos organismos. A biota da Terra abrange a biosfera).
>   Afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente.
>   Lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos.


Acompanhe abaixo os impactos ambientais gerados pela utilização de cada tipo de combustível fóssil, começando pelo Petróleo.


vazamento de petróleo no Golfo do México





No processo produtivo do Petróleo, em todos os seus segmentos, trabalha-se com riscos potenciais que causem poluição ambiental. Uma refinaria por exemplo, é responsável pela emissão de muitos poluentes, principalmente emissão atmosférica contendo óxidos sulfúricos e nitrogenados, enxofre, metais pesados, etc., além de outros resíduos.
No entanto, os registros indicam que o maior índice de acidentes no setor petrolífero ocorre durente o transporte das cargas, de forma que este segmento é merecedor de atenção redobrada no cumprimento de normas preestabelecidas.
Vazamentos de petróleo prejudicam de forma intensa e duradoura a vida marinha. Desde o fitoplâncton, base da cadeia alimentar oceânica, até as aves, todos sofrem nessas tristes ocorrências.
As manchas de óleo impedem ou diminuem a entrada de luz no mar, o que prejudica a fotossíntese dos vegetais, sobretudo o fitoplâncton; o óleo também impregna as penas das aves, matando-as por hiportermia, entope as vias respiratórias dos mamíferos, interfere nos químio-receptores de animais migratórios, deixando-os desorientados, o alcatão presente na composição do petróleo mata muitos seres marinhos e aves, afeta as atividades de quem vive da pesca e do turismo, promove, enfim, uma verdadeira devastação.  
Também em terra são graves os problemas causados por vazamentos de petróleo e derivados. Oleodutos sem manutenção adequada podem romper-se e provocar sérios acidentes, com a agravante de que as grandes extensões percorridas pelos dutos tornam difícil a identificação do vazamento.
Poços terrestres, tanques de armazenamento, vagões e caminhões de transporte também devem ser considerados. Quaisquer vazamentos podem trazer problemas ao solo, que pode demorar muito tempo para se recuperar, fora o risco de contaminação de eventuais lençóis freáticos, que pode prejudicar o abastecimento de água.

Veja mais sobre os impactos ambientais causados pelos derivados do Petróleo, no caso o plástico, no vídeo "Lixão no Oceânico Pacífico" e também na reportagem da revista Superiteressante "Minha vida sem plástico".

Com o intuito de minimizar os estragos causados por acidentes envolvendo o petróleo foram desenvolvidas diversas tecnologias:

Dispersantes
Os dispersantes são utilizados nos derramamentos em alto mar de hidrocarbonetos. Os dispersantes têm propriedades químicas que causam a quebra da mancha de óleo no mar em milhões de partículas, permitindo a oxigenação da água e passagem de luz, minimizando assim, os estragos, pois o processo de biodegradação.

Absorventes sintéticos
São produtos químicos inertes, em forma de flanelas, mantas ou travesseiros, são utilizados para fazer a limpeza pela absorção de petróleo e derivados. São seguros pois não reagem na presença de fluidos perigosos, não absorvem a água, apenas o produto derramado, alem de serem resistentes a chama e a ação biológica

Absorventes naturais
Absorvente natural é um absorvente feito com substancias naturais que têm uma estrutura capilar e porosa, consequentemente tendo grande poder de absorção e retenção, só liberando o material com grandes pressões, é totalmente biodegradável, sendo usado em petróleo, derivados e substancias químicas

Absorventes para óleos viscosos
São absorventes projetados para a retirada de óleos venosos e pesados. Podem ser constituídos de diversos fios ou tiras de materiais polímeros, onde o óleo fica retido, dependendo do caso podem ser eficientes e baratos: Podem ser usados em pequenos a grandes derramamentos.

Skimmers
São usados para recolher o óleo flutuando na água, pois o óleo tem uma densidade menor que a água fazendo que ele flutue nela, assim quando há um derramamento ,  petróleo e seus derivados flutuam na água, depois o skimmer arrasta o óleo para dentro da embarcação, onde é armazenado em um tanque.   
 
queima de gás natural
O Gás Natural é o combustível fóssil menos nocivo ao meio ambiente, sua combustão libera poucas quantidades de óxido de enxofre, gás carbônico e ozoto (provoca chuvas ácidas).
Porém, a perda de gás natural oriundo dos processos de exploração, ou mesmo da queima do insumo, durante a fase de produção de um poço de petróleo, além de ser significativa, constitui sério problema ambiental.
As emissões de CO2 resultantes da queima, e a de metano decorrente dos vazamentos, contribuem potencialmente para o aquecimento global, além de causar efeitos danosos à saúde da população e ao maio ambiente próximos ao local onde ocorrem.
Quando o gás é associado, normalmente uma boa parte é utilizada para reinjeção no reservatório, a fim de manter a sua pressão, como também em utilidades para a unidade produtora.
Em algumas situações a queima do gás natural é inevitável, como é o caso de vazamentos para o sistema de processo, manutenções não previstas, paradas de emergência etc. A questão é evitar a queima rotineira, efetuada exclusivamente com a finalidade de descartar o gás associado não desejado.
As empresas vêm implementando novas técnicas para viabilizar o aproveitamento econômico do gás natural, já havendo bons exemplos, inclusive no Brasil, na Bacia de Campos e na região amazônica.


Os maiores impactos socioambientais do Carvão decorrem de sua mineração, que afeta principalmente os recursos hídricos e o solo, além da camada atmosférica.



IMPACTO ATMOSFÉRICO: O carvão mineral é composto basicamente por carbono e magnésio. Assim, a sua queima para produção de energia provoca – através da emissão de gases poluentes para a camada de ozônio – o aquecimento global. Este por si provoca então outros fenômenos como a chamada chuva ácida, que provoca a acidificação do solo e da água e, conseqüentemente, alterações na biodiversidade, entre outros impactos negativos, como a corrosão de estruturas metálicas.

IMPACTO AQUÁTICO: O aproveitamento do carvão gera dejetos sólidos, que são depositados no local das atividades, criando extensas áreas cobertas de material líquido, as quais são lançadas em barragens de dejeto ou diretamente em cursos de água. Grande parte das águas de bacias hidrográficas circunvizinhas é afetada pelo acúmulo de materiais poluentes, que podem inclusive contaminar os lençóis freáticos.

IMPACTO TERRESTRE: A posterior separação do carvão de menor qualidade para o de melhor qualidade forma novos depósitos, que cobrem muitos hectares de solos cultiváveis.  Os trabalhadores das minas e seus familiares também são afetados diretamente pelas emanações de poeiras provenientes desses locais, contraindo várias doenças respiratórias.
A abertura dos poços de acesso aos trabalhos de lavra  (processo de extração do carvão mineral) e o uso de máquinas e equipamentos manuais, como retroescavadeiras, escarificadores e rafas, provocam a emissão de óxido de enxofre, óxido de nitrogênio, monóxido de carbono e outros poluentes da atmosfera. Durante a drenagem das minas, feita por meio de bombas, as águas sulfurosas são lançadas no ambiente externo, provocando a elevação das concentrações de sulfatos e de ferro e a redução de pH no local de drenagem.

Veja mais sobre os impactos da utilização Carvão Mineral como fonte energética no vídeo "A História do Carvão"

O mundo está evoluindo numa velocidade impressionante e nossa dependência por energia cresce no mesmo ritmo. 90% da energia que utilizamos é de origem fóssil, e o petróleo é a nossa principal fonte energética, uma fonte não renovável. A velocidade de formação dos combustíveis fósseis não acompanha a demanda crescente do mercado mundial, portanto, agora, a ênfaxe deve ser dada ao chamado Desenvolvimento Sustetável.
 
O desenvolvimento sustentável vem do conceito de sustentabilidade. É entendido como sustentável, o desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade das futuras gerações de atenderem às suas próprias necessidades.
As premissas do desenvolvimento sustentável são:
>   Produzir melhor a menores custos, utilizando materiais adequados.
>  Oferecer produtos seguros e de alto desempenho, em detrimento daqueles que se degradam com facilidade.
>   Minimizar o consumo de energia, a geração de resíduos e o impacto ambiental



Um comentário:

  1. Parabéns pela iniciativa. Utilizar as ferramentas tecnológicas em prol do conhecimento é sinal de inteligência.

    Ousem sempre e façam a diferença nesse mundo.

    ResponderExcluir